Logo Blog
aplikasitogel.xyz hasiltogel.xyz paitogel.xyz

Sob ameaça de “sarneyzação”, Dilma espera ajuda de Janot


Daniela Martins

As derrotas da presidente Dilma Rousseff no
Congresso lembram o que acontecia no governo Sarney, quando Ulysses Guimarães
comandava o PMDB e presidia a Câmara dos Deputados e a Assembleia Constituinte.
Na prática, Ulysses dava ordens ao Palácio do Planalto.

Na Câmara, já começam a falar que Eduardo Cunha
simboliza a “sarneyzação” do governo Dilma. Isso representaria um
enfraquecimento político do governo, que resultaria na perda do poder de
aprovar projetos no Congresso e tomar iniciativa em grandes articulações
políticas.

A derrota no Orçamento Impositivo, que obriga o
Governo Federal a pagar as emendas parlamentares, era esperada. Já estava na
conta do governo, que negociou no ano passado destinar metade das emendas à
área da saúde, amenizando o projeto.

Mas a aprovação aconteceu na sequência de fatos
negativos para a presidente Dilma Rousseff na Câmara. Portanto, é uma derrota
que alimenta a sensação de fraqueza do governo no Congresso. É como se o
Executivo, que sempre tem poder de influenciar as discussões no Legislativo,
perdesse iniciativa.

A nova derrota aconteceu num dia de notícias ruins
para o governo. O presidente da Câmara ameaçou chamar os 39 ministros para
audiências no plenário. Cunha também indicou o deputado federal Rodrigo Maia
(DEM-RJ) para presidir a comissão especial da reforma política. O relator será
Marcelo Castro (PMDB-PI), que fará o que Eduardo Cunha desejar. Ou seja, Dilma
e o PT deverão ficar em segundo plano na discussão da eventual reforma
política.

A presidente designou ministros para tentar
negociar o pacote de medidas previdenciárias e trabalhistas que podem render 18
bilhões de reais ao governo. O valor é fundamental para fechar as contas
públicas neste ano. Dilma vai conversar com o ex-presidente Lula, pedindo ajuda
para enquadrar o PT em relação às medidas do ajuste. Poderia também
envolver o vice-presidente Michel Temer nas reuniões estratégicas do governo e
tentar uma reaproximação efetiva com o PMDB. Mas ela isolou Temer e fortaleceu
Cunha.

Há, no fundo, uma torcida no Planalto para que o
procurador-geral da República, Rodrigo Janot, manifeste-se logo sobre quem são
os parlamentares que poderão responder a inquérito ou a um processo no STF
(Supremo Tribunal Federal) por causa da Operação Lava Jato.

Há rumores de que, além de políticos do PT, do PP e
do PMDB, dois senadores da oposição poderiam estar na lista de Janot. Há
informações de bastidor de que Eduardo Cunha e o presidente do Senado, o também
peemedebista Renan Calheiros, podem ser alvo do procurador-geral.

Sob ameaça de “sarneyzação”, parece pouco contar
com uma ajuda indireta de Janot. No Planalto, a ideia é que, se outros
políticos entrarem na linha de tiro das investigações, Dilma receberia uma
trégua política. É uma possibilidade.

A outra possibilidade é a lista de Janot
desorganizar ainda mais a base de apoio do governo e enfraquecer o comando do
Congresso.

Além de tentar uma recomposição real com o PMDB, a
saída da crise, para o governo, está na economia. É necessário enfrentar a
realidade econômica, lutar para aprovar o ajuste fiscal, atravessar o deserto e
esperar os resultados de eventual melhora no ano que vem. Resumindo,
é arrumar a economia. Dilma não tem outra saída. ( Blog do Kennedy)

 

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Rádio

Rádio Timbira Ao Vivo

Buscar

Mais Lidas

Márcio Jerry demonstra incompetência de Braide para governar São Luís
Série de pesquisas vai atualizar retrato do novo cenário eleitoral em São Luís
Braide é candidato de Bolsonaro em São Luís, diz UOL
Novas pesquisas devem indicar a tendência do eleitorado para a sucessão do prefeito Edivaldo
aplikasitogel.xyz hasiltogel.xyz paitogel.xyz