Logo Blog
aplikasitogel.xyz hasiltogel.xyz paitogel.xyz

Política de segurança pública

Jornal Pequeno

E caminhamos, mais uma
vez, para o número recorde de quase mil assassinatos este ano, repetindo a
insensatez do ano de 2013. O nível de violência em São Luís, uma ilha com pouco
mais de 1 milhão de habitantes, desafia todos os conceitos, reprime todas as
teorias sobre a origem da selvageria humana. Mal podemos crer que mais de mil
pessoas são assassinadas todos os anos na capital do Maranhão.

É uma chacina que se
repete de forma incontrolável, denunciando a ausência do estado e a existência
de um poder paralelo que se constrói paulatinamente, minando todos os valores
da convivência em sociedade. Talvez a exaustiva cantata da falta de políticas
públicas já não explique mais nada, pois nos grotões do desamparo, a juventude
parece perceber mais poder nos chefões do tráfico que nas autoridades
constituídas e vê mais vantagens econômicas no submundo do crime que nas
escolas e salas de emprego.

O mapa da violência
indica que 56 mil pessoas foram assassinadas este ano no Brasil e o triste é
perceber que quase mil destes homicídios foram cometidos em São Luís! Uma
estatística de horror que suplanta números de guerras e que se ajusta à 
falta de poder de decisão das autoridades quando é a sociedade que precisa ser
protegida dela mesma.

Nas últimas décadas, no
Brasil, 15,2 milhões de armas de fogo foram parar em mãos privadas, 6,8 milhões
delas registradas, 8,5 não registradas e 3,8 milhões em mãos de criminosos. O
resultado de tanta leniência é uma verdadeira estatística de horror. Entre 1980
e 2010, 800 mil cidadãos morreram neste país por disparos de armas de fogo. E
depara o Maranhão com esse comparativo que surpreende o ano de 2014: a imprensa
nacional se revela estupefata com as 56 mil mortes que ocorrem anualmente neste
Brasil de quase 200 milhões de habitantes e, pelo que revelam os números de
homicídios contados mês a mês, repetimos, quase mil foram cometidos somente em
São Luís.

Desculpas
sócio-econômicas não justificam mais esse genocídio. Uma verdade que salta aos
olhos é que o governo tem sido displicente com a segurança pública. O Maranhão
tem o menor número de policiais por habitante no Brasil. Esse é um dado real
que influi diretamente no nível de violência. A política de segurança pública é
totalmente equivocada. Faltam presídios, o Complexo de Pedrinhas vive
superlotado e é invasivo do ponto de vista da comunicação entre bandidos presos
e bandidos soltos de uma mesma facção.

A Justiça também se
mostra leniente com a criminalidade. Há poucos dias, dois policiais foram
mortos por criminosos presos diversas vezes pela polícia e libertos pela
impossibilidade da aplicação correta da Lei de Execuções Penais. Como sempre, a
impunidade estimula a violência. O controle dessa violência não depende,
portanto, somente de novas cadeias e mais policiais nas ruas. O Maranhão
precisa, urgentemente, inaugurar uma política real de segurança pública.

 

 

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Buscar

Mais Lidas

Flávio Dino diz que optou por Carlos Brandão após consulta aos atores políticos do grupo
Brandão não descarta trocar PSDB pelo PSB para ter PT na chapa 
"Pela história do nosso partido decidimos apoiar Carlos Brandão", diz presidente do Cidadania
Pesquisa Escutec: Edivaldo se mantém em segundo na disputa para o governo
aplikasitogel.xyz hasiltogel.xyz paitogel.xyz