28 de junho de 2017

Redação: (98) 98205-4499

28/06/2017 -

Jorge Vieira -

Comente

Governistas adiam mais uma vez votação das Diretas na CCJ

O relator da matéria, Esperidião Amin (PP-SC), afirma que é um “despautério” a obstrução promovida por apoiadores do presidente à admissibilidade e apreciação em Plenário na Câmara dos Deputados. A PEC das Diretas (Proposta de Emenda à Constituição 227/16) tem sido questionada por deputados do Democratas e parcela do PMDB e PSDB durante todos os debates.

“Aqui na Câmara tecem argumentos de que a proposta é oportunista. Oportunismo é deixar passar no Senado Federal e segurar aqui. É como se aqui tivéssemos parlamentares menos responsáveis e mais manobráveis”, aponta Amin. A PEC das Diretas (Proposta de Emenda à Constituição 227/16) tem sido questionada por deputados do Democratas e parcela do PMDB e PSDB durante todos os debates.

Segundo José Carlos Aleluia (DEM-BA), porta-voz da ala de defesa do Palácio do Planalto, os partidos que querem a aprovação da medida desejam a condução de Lula ao governo, portanto é oportunista a posição da Minoria. “Nós estamos em obstrução. Acreditamos que esse é um caminho de fuga daqueles que tem um candidato”, disse Aleluia.

Com a divulgação das gravações entre o presidente da República e o empresário Joesley Batista, dono do frigorífico JBS, figurando todos os noticiários e impactando na popularidade de Temer a queda é dada como certa por parlamentares do PT, PCdoB, PSB, PDT, Rede e PSol.

Para o deputado Rubens Pereira Júnior (PCdoB-MA), não há preocupação da base do presidente com a estabilidade democrática, por isso a tentativa sucessiva de barrar a PEC das Diretas. “Ele exerce o principal cargo do país, e por isso não podemos ter nenhum tipo de suspeita. Impedir que o processo tenha seguimento agora, aguardar 2019, é persistir na dúvida”, acentua.

Em voto contrário a inversão da pauta pedido pelo DEM para evitar a apreciação da PEC o parlamentar salienta que o partido não tem compromisso com a soberania popular. “Hoje é a convocação extraordinária com pauta única. Só tem a PEC para ser votada e o requerimento da oposição pretende adiar mais uma vez a votação da matéria”, acrescenta Rubens Júnior.

Além do conteúdo dos áudios apresentados nesta semana na denúncia do procurador-geral, Rodrigo Janot, revelando acordos para silenciar presos na Operação Lava-Jato, a ilegitimidade do processo de retirada da presidenta Dilma Rousseff e as reformas previdenciária e trabalhista motivam o pedido de afastamento imediato de Michel Temer e a convocação de eleições gerais diretas.

O golpe que afastou a petista da Presidência trouxe para o país uma pauta que não teve a aprovação nas urnas, segundo o deputado Henrique Fontana (PT-RS). “Um governo desastroso que tem a preocupação quase que única de autoproteção de um presidente que precisa ser afastado o quanto antes para liberar o futuro do nosso país”.

“Essa eleição deve ser para deputados federais, senadores e para presidente da República”, disse Fontana ao salientar a necessidade de legitimação dos que ocupam cargos eletivos.

O relatório da PEC das Diretas foi lido na última terça-feira (20), quando um pedido de vista acabou adiando a votação da matéria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Buscar

Nossa pagina