“Ontem e hoje, uma estatal brasileira e uma empresa da China comunista salvaram o ‘megaleilão’ de um ‘megafracasso’. Lições para a reflexão dos adeptos extremistas de ideologias mercadistas e entreguistas. A virtude sempre está no meio termo”, observou Dino.

Nesta quinta-feira (7), em mais um leilão sem concorrente, o governo vendeu apenas uma das cinco áreas ofertadas. Apenas a Petrobras e empresas chinesas apresentaram oferta.