Logo Blog
aplikasitogel.xyz hasiltogel.xyz paitogel.xyz

Delegados: Lobão Filho foi abordado por ‘fundada suspeita’ de crime eleitoral

iG

O iG apurou que, ao
contrário do que afirmou o PMDB, denúncias contra adversário de Sarney partiram
da Polícia Civil e foram informadas à Justiça Eleitoral maranhense.
Procedimento é considerado rotineiro

A Associação dos Delegados
da Polícia Federal (ADPF) defendeu, na manhã desta sexta-feira, a atuação do
delegado Paulo de Tarso Cruz Viana Júnior, responsável pela abordagem ao
candidato ao governo do Maranhão, Lobão Filho
(PMDB) na noite de quarta-feira para averiguar denúncias de crime eleitoral no
Estado. A ADPF classificou a revista do avião de Lobão Filho como “procedimento
de rotina” e o iG apurou que a denúncia que originou a ação da PF partiu da
Polícia Civil do Maranhão e não de denúncia anônima, como alegou o PMDB.

Nesta quinta-feira (26), o
presidente nacional do PMDB e vice-presidente da república, Michel Temer (PMDB)
e o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), divulgaram notas oficiais
condenando a ação da PF. Segundo o PMDB, seis homens identificados como
policiais federais abordaram Lobão Filho e o ex-ministro do Turismo, Gastão
Vieira (PMDB), candidato ao senado no Maranhão, no aeroporto de Imperatriz. Os
policiais revistaram Lobão e Vieira e a aeronave na qual eles embarcariam em
busca de dinheiro. Nada foi encontrado. Tanto Temer, quanto Calheiros
classificaram a ação como “inadmissível” e “intimidatória”.

“O procedimento foi baseado
em denúncia anônima durante o curso da disputa eleitoral intensa”, disse Temer.
“Ações desencadeadas com base em denúncias anônimas, em pleno processo
eleitoral, só se prestam a explorações políticas”, reiterou Calheiros. Nesta
sexta-feira, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, determinou que o
diretor-geral da Policia Federal, Leandro Daiello Coimbra, investigue a
abordagem do órgão.

O presidente da Associação
dos Delegados da Polícia Federal, Marcos Leôncio Ribeiro, afirmou ao iG, no
entanto, que “havia fundada suspeita que foi por dever legal apurada ou não a
veracidade dessa informação”. “Em ato contínuo, (o procedimento de abordagem)
foi informado à Justiça Eleitoral e aos superiores da Polícia Federal. Algo
absolutamente dentro da rotina policial. Isso não é um procedimento isolado”,
confirmou Marcos Leôncio Ribeiro. “A Polícia Federal não intimida e nem se
deixa intimidar”, complementou.

Ribeiro explicou que no caso
específico não havia a necessidade de um mandado de busca e apreensão já que a
PF tem legitimidade de fazer varreduras em aeronaves estacionadas em aeroportos
que contam com a segurança de agentes da corporação. “Neste caso, o que temos é
o exercício regular e legítimo da função de Polícia Judiciária Eleitoral pela
Polícia Federal. Entendemos o lado dos partidos políticos, e cada um dos
partidos políticos envolvidos nas eleições precisam compreender o papel da
Polícia Federal”, disse o presidente da ADPF

Ribeiro vai além e disse que
se o delegado não fizesse a abordagem ao avião poderia cometer o crime de
prevaricação, crime cometido por funcionário público que consiste em retardar
ou deixar de fazer uma função que é de sua competência. No início da tarde
desta sexta-feira, da ADPF lançou uma nota em defesa do delegado responsável
pela operação contra Lobão Filho.

Denúncia da Polícia

O iG apurou que, ao
contrário do que alegou o PMDB, a denúncia que resultou na abordagem a Lobão
Filho não foi anônima e sim partiu da Polícia Civil do Maranhão. Além disso, o
delegado responsável pela ação informou ao superintendente da Polícia Federal
no Estado, Alexandre Saraiva e a Justiça Federal maranhense.

O delegado Paulo de Tarso
Cruz Viana Júnior explicou, internamente, que poderia cometer crime de
prevaricação caso não averiguasse a denúncia de um órgão como a Polícia Civil
do Maranhão. Como se tratava de uma denúncia de um órgão oficial e não de
terceiros , com a possibilidade de realização de um flagrante de crime
eleitoral, não havia a necessidade de um mandado de busca e apreensão, segundo
explicou o delegado a colegas. O delegado Paulo Júnior citou o chamado “senso
de oportunidade” típico de situações propícias para flagrantes de crimes
eleitorais. A denúncia contra Lobão Filho surgiu a menos de três horas da
realização da abordagem, na noite de quarta-feira.

Além disso, o iG também
apurou que a abordagem ocorreu sem truculência ou veemência. Na noite do dia 24
de setembro, o delegado, com sua equipe, fez antes a revista na aeronave de
Lobão Filho. Durante a revista da aeronave, Lobão Filho estava na ante-sala do
aeroporto de Imperatriz. E somente no aeroporto, na presença de Lobão Filho,
foi feita a revista das bagagens dele e de Gastão Vieira. O delegado negou
truculência ou tentativa de intimidação durante a revista.

Nesta quinta-feira, o PMDB
no Maranhão acusou que a ação teria partido ou do pai do delegado, Paulo Cruz
Viana, ex-prefeito da cidade de Sítio Novo do Maranhão ou do próprio ministério
da Justiça, na figura do secretário nacional de Justiça, Paulo Abrão. Abrão
declarou apoio à candidatura de Dino durante essa semana. Lobão defendeu até o
abastamento de Abrão do cargo.

O delegado Paulo Cruz Viana,
no entanto, reiterou a colegas delegados que sequer manteve contato com o pai
ou com Abrão na noite de quarta-feira, quando desencadeou a operação.

 

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Buscar

Mais Lidas

Flávio Dino diz que optou por Carlos Brandão após consulta aos atores políticos do grupo
Brandão não descarta trocar PSDB pelo PSB para ter PT na chapa 
"Pela história do nosso partido decidimos apoiar Carlos Brandão", diz presidente do Cidadania
Pesquisa Escutec: Edivaldo se mantém em segundo na disputa para o governo
aplikasitogel.xyz hasiltogel.xyz paitogel.xyz