Logo Blog
aplikasitogel.xyz hasiltogel.xyz paitogel.xyz

“A relação é servil, humilhante”, diz candidato a presidente do PT sobre aliança do partido com Roseana

O jornalista Luís
Henrique Silva de Sousa, 54 anos, um dos candidatos a presidente do diretório
estadual do PT no Maranhão, concedeu entrevista onde fala da possibilidade de
comandar o partido no estado e da atual aliança da sigla com o PMDB. Para ele,
a adesão do PT ao governo Roseana Sarney, liderada pelo vice-governador
Washington Luiz, representa um grande retrocesso.
“Trouxe
graves consequências para o PT. Não temos relevância (o que não me surpreende),
o vice-governador ocupa função protocolar, está lá para dar posse e fazer
discurso nas solenidades que a governadora não quer ir. A relação é servil,
humilhante. As secretarias são arranjos políticos”, critica.
Atualmente,
Henrique Silva desempenha o papel de Assessor Parlamentar do deputado Zé Carlos
do PT e é um dos coordenadores do Coletivo PT para Todos, instituído em 2013.
No Processo de Eleição Direta (PED), ele terá com principais adversários o
atual presidente Raimundo Monteiro (Construindo um Novo Brasil, defende
reedição da aliança com o grupo Sarney), Augusto Lobato (Resistência Petista,
aliança com o PCdoB de Flavio Dino) e Eri Castro (apoio a Flávio Dino).
Henrique
e Lobato já fecharam um acordo estarão juntos no segundo turno contra Monteiro.
Acompanhe,
a seguir, a entrevista:
Por
que você quer ser o presidente do PT?

Henrique
– Não é uma decisão minha tão somente, mas de vários companheiros e
companheiras petistas. Uma candidatura que nasce essencialmente em um ambiente
coletivo, de gerações distintas, correntes e tendências internas. No grupo
existem companheiros com os quais convivo e milito há anos, mas também aqueles
que não se relacionavam politicamente conosco até bem pouco tempo, todos nós
afetados pelos lados que defendíamos. De repente nos encontramos, dialogamos e
queremos outro caminho para o PT.
Quero
ser o presidente do diálogo; da descentralização do PT, com a implementação das
sedes regionais; do PT que traga os grandes quadros que possui para debater e
discutir com a sociedade maranhense, temas relevantes da pauta nacional, como a
reforma política. Quadros como o do ex- presidente Lula, Marilena Chauí, Tânia
Bacelar; de um PT que seja capaz de produzir uma proposta de desenvolvimento
para o nosso estado a partir dos nossos intelectuais e do movimento social.
Quero ser presidente e, junto com as demais forças, poder definir um projeto
político próprio. Pretendo desembarcar o partido que hoje ocupa espaço na
imprensa pelas desavenças de suas lideranças, sem mascarar nossas diferenças,
mas que seja capaz de ser celeiro e estuário dos temas e projetos relevantes
para o povo. É isso o que a população espera de nós.
Sei
que a missão é difícil e desafiadora, sei que estamos enfrentando a conjuntura
mais complexa da nossa história, em um ambiente interno de crise profunda –
inclusive com a desfiliação de alguns dos nossos quadros mais significativos -,
mas me sinto preparado para enfrentar as adversidades e contribuir com o
entusiasmo de minha militância para um PT forte, um PT protagonista.
O
que significa o Coletivo PT para Todos?

Henrique
– É um ideal. É uma possibilidade de transigir. É construir, na adversidade, a
unidade na ação. É lutar por um PT republicano. É lutar contra a ideia do
hegemonismo que tanto mal nos causou. É nos libertar das amarras que nos tem
aprisionado durante os últimos 20 anos do PT de Washington ou PT de Dutra. É
fazer com que esta prática seja passado. É o confronto intransigente com o
personalismo. Pretendemos, enquanto grupo interno, debater e defender à
exaustão nossas ideias, sem, contudo, enquanto comando, deixar de encaminhar ou
boicotar o que a maioria decidir. É dialogar mais com os de dentro do que com
os de fora. A proposta é clara: é um PT de todos e para todos os petistas.
Qual
sua opinião sobre a política de alianças adotada nas últimas eleições pelo PT
do Maranhão?
Henrique
– A política de alianças no estado representa um retrocesso em nossas
aspirações como partido, o que trouxe graves consequências para o PT. Agora
mesmo é ela a responsável pela debandada de companheiros históricos. Por outro
lado, temos sido coadjuvantes em projetos alheios. Foi assim com Jackson,
quando o governo era comandado por forças conservadoras – principalmente
lideranças do PSDB – e ficamos na periferia.
A
situação não é diferente hoje com o PMDB. Não temos relevância (o que não me
surpreende), o vice-governador ocupa função protocolar, está lá para dar posse
e fazer discurso nas solenidades que a governadora não quer ir. A relação é
servil, humilhante. As secretarias são arranjos políticos.
Quando
você encara as experiências municipais, a situação é pior. Hoje há lideranças,
vereadores petistas, que acatam as determinações políticas dos prefeitos,
ignorando o próprio partido. É comum ver petistas apoiando deputados de outros
partidos, comandados muitas das vezes por prefeitos do próprio PT. Em 2010,
somente um prefeito petista apoiou candidato do PT a federal e estadual; isso
porque o estadual era irmão dele, o que tende a não se repetir, pois o dito
irmão não está mais no PT.
A
política nacional de aliança é uma necessidade para governabilidade, mas serve
ao nosso projeto. No estado e nos municípios tem sido o inverso. Os projetos
políticos pertencem aos aliados nacionais, que nos submetem a uma conveniência
político-eleitoral que é danosa para o futuro do PT no Maranhão. Precisamos nos
reencontrar enquanto projeto partidário.
*Jornal Página 13  – PT

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Rádio

Rádio Timbira Ao Vivo

Buscar

Mais Lidas

Braide é candidato de Bolsonaro em São Luís, diz UOL
Igor Diniz começa campanha com caminhada em Bequimão
Vítima de Roberto Rocha pode se transformar na pedra do sapato de Braide
Rubens elogia forças de segurança do Maranhão e promete criar Guarda Civil Metropolitana em São Luís
aplikasitogel.xyz hasiltogel.xyz paitogel.xyz