Logo Blog
aplikasitogel.xyz hasiltogel.xyz paitogel.xyz

Propaganda antecipada: Duarte Júnior sofre nova derrota na Justiça Eleitoral

O juiz da 89ª Zona Eleitoral, Douglas Airton Ferreira Amorim, acatou parcialmente a representação do Ministério Público Eleitoral (sábado, 3 de abril) em que denuncia o pré-candidato a prefeito de São Luís, deputado estadual Duarte Júnior (PRB) por propaganda irregular e com forte teor de campanha antecipada, tomou um série de medidas cautelares e concedeu prazo de 48 horas para que o parlamentar se manifeste sobre a denúncia.

“Com base no dever geral de cautela, defiro em parte o requerimento ministerial, nos seguintes termos. a) Notifique-se o Gerente Comercial da Agência Central de Correios, localizada nesta cidade, na Praça João Lisboa, para que se abstenha de proceder à remessa do material ali existente, até julgamento final da presente demanda, com fundamento no art. 41, § 2º da Lei nº 9.504/97 c/c art. 6º, § 2º da Res. TSE nº 23.610/2019 c/c art. 54 da Res. TSE nº 23.608/2019. b) Notifique-se o Representado, para, querendo, apresentar defesa no prazo de 48 (quarenta e oito) horas, nos termos do art. 96, § 5º da Lei n.º 9.504/1997 e art. 18 e seguintes da Res. TSE nº 23.608/2019). c) Quanto ao pedido de busca e apreensão dos exemplares da revista, deixo para apreciá-lo após a apresentação de manifestação pelo Representado. Instrua-se a notificação com cópias da inicial. O presente despacho servirá como MANDADO DE NOTIFICAÇÃO. Cumpra-se. São Luís, 03 de abril de 2020”.

Segundo a denúncia do Ministério Público, Duarte teria feito “propaganda irregular para promover sua imagem junto ao eleitorado do Município de São Luís, tendo por objetivo a sua pretensa candidatura ao cargo de Prefeito, através da distribuição de 201.000 (duzentos e uma mil) revistas pelas residências localizadas nesta capital, divulgando a sua imagem e nome, com a finalidade de promover-se diante do eleitorado”.

Após a denúncia de que o parlamentar estaria mandando para as residências milhares de revistas com forte teor de propaganda eleitoral antecipada, o Ministério Público, além do pedido de tutela de urgência, requereu a busca e apreensão dos exemplares da revista ainda não distribuídos, bem como da imediata suspensão da distribuição e solicitou que o Gerente Comercial da Agência Central de Correios, localizada na Praça João Lisboa, para que se abstenha de proceder à remessa do material ali existente.

Integra da decisão

JUSTIÇA ELEITORAL 089ª ZONA ELEITORAL DE SÃO LUÍS MA

REPRESENTAÇÃO (11541) Nº 0600005-14.2020.6.10.0089 / 089ª ZONA ELEITORAL DE SÃO LUÍS MA REPRESENTANTE: MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL DO ESTADO DO MARANHÃO REPRESENTADO: HILDELIS SILVA DUARTE JUNIOR DECISÃO

Trata-se de Representação proposta pelo Ministério Público Eleitoral, com fundamento no art. 41, § 2º da Lei nº 9.504/97 c/c art. 6º, § 2º da Res. TSE nº 23.610/2019 c/c art. 54 da Res. TSE nº 23.608/2019, por propaganda eleitoral irregular, em face HILDELIS SILVA DUARTE JUNIOR, pretenso candidato ao cargo de Prefeito de São Luís/MA, inscrito no CPF sob o nº 018.090.773- 54, com domicílio na Avenida dos Holandeses, s/n, quadra 29, Edifício Number One, Apt. 1002, Ponta da Areia, CEP 65077-357, nesta cidade.

A representação fundamenta-se na realização de propagando irregular por parte do representado, que teria promovido a sua imagem junto ao eleitorado do Município de São Luís, tendo por objetivo a sua pretensa candidatura ao cargo de Prefeito, através da distribuição de 201.000 (duzentos e uma mil) revistas pelas residências localizadas nesta capital, divulgando a sua imagem e nome, com a finalidade de promover-se diante do eleitorado.

O Ministério Público, em sede de tutela de urgência, requer a busca e apreensão dos exemplares da revista ainda não distribuídos, bem como da imediata SUSPENSÃO da distribuição, notificando-se o Gerente Comercial da Agência Central de Correios, localizada nesta cidade, na Praça João Lisboa, para que se abstenha de proceder à remessa do material ali existente, fundamentando-se no preenchimento dos requisitos para concessão da tutela requerida, fumus boni juris e periculum in mora.

Diante disso, pelos fatos e fundamentos apresentados, havendo indícios de propaganda irregular, e considerando que a legislação é expressa em proibir a prática de propaganda eleitoral antes do dia 16 de agosto do ano da eleição, nos termos do art. 36 da Lei 9.504/1997. Com base no dever geral de cautela, defiro em parte o requerimento ministerial, nos seguintes termos.

a) Notifique-se o Gerente Comercial da Agência Central de Correios, localizada nesta cidade, na Praça João Lisboa, para que se abstenha de proceder à remessa do material ali existente, até julgamento final da presente demanda, com fundamento no art. 41, § 2º da Lei nº 9.504/97 c/c art. 6º, § 2º da Res. TSE nº 23.610/2019 c/c art. 54 da Res. TSE nº 23.608/2019.

b) Notifique-se o Representado, para, querendo, apresentar defesa no prazo de 48 (quarenta e oito) horas, nos termos do art. 96, § 5º da Lei n.º 9.504/1997 e art. 18 e seguintes da Res. TSE nº 23.608/2019).

c) Quanto ao pedido de busca e apreensão dos exemplares da revista, deixo para apreciá-lo após a apresentação de manifestação pelo Representado. Instrua-se a notificação com cópias da inicial.

O presente despacho servirá como MANDADO DE NOTIFICAÇÃO.

Cumpra-se. São Luís, 03 de abril de 2020.

Douglas Airton Ferreira Amorim Juiz Eleitoral da 89ª Zona Eleitoral

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Buscar

Mais Lidas

Posição do PT sobre sucessão estadual vai depender de orientação da direção nacional, diz Augusto Lobato
Weverton acredita que Dino irá ouvir os partidos antes de bater o martelo sobre seu sucessor
MDB vai abrir discussão com todas as forças políticas sobre sucessão, diz deputado Roberto Costa
Gaeco realiza operação contra corrupção em cinco municípios
aplikasitogel.xyz hasiltogel.xyz paitogel.xyz