Logo Blog
aplikasitogel.xyz hasiltogel.xyz paitogel.xyz

Ministério Público pede pressa no combate a crimes contra imprensa

Brasil está com índice de
impunidade beirando 75%, segundo Comitê de Proteção a Jornalistas (CPJ)
Gabriel Manzano, de O Estado de S.Paulo
O Conselho Nacional do Ministério Público aprovou
uma recomendação para que o MP “atue de forma célere, rigorosa e preferencial”
na investigação de crimes contra jornalistas, mas sem desrespeitar as regras já
estabelecidas. O esforço aconteceu por conta da impunidade dos crimes
praticados contra jornalistas no Brasil e a lentidão com que são investigados.
Segundo o Comitê de Proteção a Jornalistas (CPJ), o índice de impunidade no
País é de 75%.
Os números justificam a urgência. Foram 21 crimes
contra profissionais da imprensa no Brasil desde 2002, lembra a Associação
Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert). Seis ou sete de dois anos
para cá. Resultado: o Brasil “apareceu pelo segundo ano seguido no Índice
de Impunidade do CPJ”, revela em Nova York seu diretor, Carlos Lauria.
Para ele, o número de casos não resolvidos é “inaceitavelmente alto”.
A resolução, ideia do veterano conselheiro Almino
Afonso, não especifica como dar celeridade ou preferência a tais casos. Na
prática, significa não deixar os crimes no fim da fila e encurtar o caminho até
o juiz. Seu texto menciona os 29 mortos na América Latina em 2011 e um cenário
em que “a violência e a intolerância pretendem se impor ao trabalho
investigativo” da imprensa.
A ação foi recebida com aplausos gerais pelo setor.
“É louvável tal preocupação”, resumiu o diretor executivo da Associação
Nacional dos Jornais (ANJ), Ricardo Pedreira, “pois quando se atenta
contra um jornalista se atenta contra o direito da sociedade à
informação”. Mas a ANJ adverte que esse problema é parte de outro maior: a
impunidade geral dos criminosos no Brasil. Pedreira cita dados segundo os quais
de 135 mil homicídios dolosos praticados desde 2007 no País, cerca de 85%
continuam impunes.
Para Maurício Azedo, da ABI, a agilidade do
Ministério Publico “é extremamente necessária” e, somadas a outras
decisões da Secretaria de Direitos Humanos, pode se tornar “poderoso meio
de coibição e diminuição da violência contra profissionais da
comunicação”.
Segundo Emanuel Soares Carneiro, presidente da
Abert, o CNMP entra no jogo no momento em que “recrudesce a violência
contra jornalistas e meios de comunicação”, partida “em sua maioria
do tráfico e do crime organizado”. Um relatório da Abert revela que, em
apenas cinco meses deste ano, quatro profissionais já perderam a vida no País.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Buscar

Mais Lidas

PCdoB é mais um partido da base governista a declarar apoio a Brandão  
Brandão não descarta trocar PSDB pelo PSB para ter PT na chapa 
Flávio Dino diz que optou por Carlos Brandão após consulta aos atores políticos do grupo
"Pela história do nosso partido decidimos apoiar Carlos Brandão", diz presidente do Cidadania
aplikasitogel.xyz hasiltogel.xyz paitogel.xyz