7 de Março de 2015

Redação: (98) 98205-4499

07/03/2015 -

Jorge Vieira -

Comente

STF abre inquérito contra 54 políticos; Lobão, Roseana e Waldir Maranhão estão na lista

 Bruna Borges e Leandro Prazeres
Do UOL, em Brasília

Ministro Teori Zavascki
O ministro do STF (Supremo Tribunal
Federal) Teori Zavascki autorizou, nesta sexta-feira (6), a abertura de
inquérito contra 54 políticos para apurar a participação deles no esquema
investigado pela operação Lava Jato, que apura irregularidades na Petrobras. Ao
todo, políticos de seis partidos estão na mira da Supremo: PT, PMDB, PSDB, PP,
PSB e PTB.

Entre os nomes que fazem parte da
lista, estão o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e o presidente
da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e a ex-governadora do Maranhão Roseana
Sarney (PMDB-MA). A presença desses nomes já era dada como certa desde o início
da semana.

Os pedidos de abertura de inquérito
foram feitos pela Procuradoria-Geral da República na última terça-feira (3),
mas estavam sob sigilo, retirado hoje por Zavascki.

Na última terça-feira (3), a
Procuradoria enviou 28 pedidos de abertura de inquérito contra 54 pessoas
supostamente envolvidas no esquema de corrupção na Petrobras que, segundo a
Polícia Federal, movimentou R$ 10 bilhões em lavagem de dinheiro e pagamento de
propina.

O dinheiro teria sido desviado de
contratos superfaturados ntre empreiteiras e a estatal e parte desses recursos
era repassado a partidos e políticos.

Veja a lista completa:

Vice-governador
 
João Leão (PP-BA) – vice-governador da Bahia
 
Senadores
 
Renan Calheiros (PMDB-AL) – presidente do Senado e do Congresso Nacional
Gleisi Hoffmann (PT-PR) – senadora pelo Paraná e ex-ministra da Casa Civil
Lindbergh Farias (PT-RJ) – senador pelo Rio de Janeiro e ex-candidato ao
governo do Estado
Edison Lobão (PMDB-MA) – senador pelo Maranhão e ex-ministro de Minas e Energia
Fernando Collor (PTB-AL) – Senador por Alagoas e ex-presidente da República
Humberto Costa (PT-PE) – Senador por Pernambuco e ex-ministro da Saúde
Ciro Nogueira (PP-PI) – senador pelo Piauí e presidente nacional do PP
Benedito de Lira (PP-AL)
Gladison Cameli (PP-AC)
Romero Jucá (PMDB-RR) – senador por Roraima e ex-líder do governo no Senado
Antonio Anastasia (PSDB-MG)
Valdir Raupp (PMDB-RO)

Deputados

Eduardo Cunha (PMDB-RJ) – presidente da Câmara e ex-líder do PMDB na
Câmara
Simão Sessim (PP-RJ) – deputado federal pelo Rio de Janeiro
Vander Loubet (PT-MS) – deputado federal por Mato Grosso do Sul
Aníbal Gomes (PMDB-CE)
Arthur Lira (PP-AL)
José Otávio Germano (PP-RS)
Luiz Fernando Ramos Faria (PP-MG)
Nelson Meurer (PP-PR) – deputado federal pelo Paraná
Aguinaldo Ribeiro (PP-PB)
Eduardo da Fonte (PP-PE)
Dilceu João Sperafico (PP-PR)
Jeronimo Goergen (PP-RS)
Sandes Junior (PP-GO)
Afonso Hamm (PP-RS)
Missionário José Olimpio (PP-SP)
Lázaro Botelho (PP-TO)
Luiz Carlos Heinze (PP-RS)
Renato Delmar Molling (PP-RS)
Roberto Pereira de Britto (PP-BA)
Waldir Maranhão Cardoso (PP-MA)
Roberto Balestra (PP-GO)
José Mentor (PT-SP)

Políticos sem mandato

Mário Negromonte (PP-BA) – ex-ministro das Cidades, atual conselheiro do
Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia
Roseana Sarney (PMDB-MA) – ex-governadora do Maranhão e ex-senadora
João Pizzolatti – (PP-SC)
Cândido Vaccareza (PT-SP)
Roberto Teixeira (PP-PE)
Luiz Argôlo (ex-PP, atual SD-BA)
José Linhares (PP-CE)
Pedro Corrêa (PP-PE)
Pedro Henry (PP-MT)
Vilson Luiz Covatti (PP-RS)
Carlos Magno (PP-RO)
Aline Correa (PP-SP) 

Outros

Fernado Antonio Falcão Soares (Fernando Baiano) – lobista
João Vaccari Neto – tesoureiro do PT

Arquivamentos e mais investigações

Além dos pedidos de inquérito, Zavascki arquivou os pedidos de inquérito
contra o senador Delcídio Amaral (PT-GO) e dos deputados Henrique Eduardo Alves
(PMDB-RN) e Alexandre Santos (PMDB-RJ).

O ministro remeteu ainda à Justiça Federal do Paraná a investigação
contra o ex-ministro Antonio Palocci (PT) por causa de sua
função como tesoureiro na campanha vitoriosa de Dilma Rousseff (PT) à
Presidência em 2010
.  Para a PGR (Procuradoria-Geral da
República), é impossível investigar a presidente Dilma por “atos estranhos
ao exercício de sua função” no âmbito da Operação Lava Jato, mas
determinou a apuração sobre a arrecadação de recursos para sua campanha de 2010
no pedido de abertura de inquérito contra o ex-ministro.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rádio Timbira Ao Vivo

Buscar

Nossa pagina