Quando até Paulo Maluf fala em “acabar com a bandalheira” é porque a saúde pública no Brasil chegou ao fundo do poço – Jorge Vieira

29 de setembro de 2011

Redação: (98) 98205-4499

29/09/2011 -

Jorge Vieira -

Comente

Quando até Paulo Maluf fala em “acabar com a bandalheira” é porque a saúde pública no Brasil chegou ao fundo do poço

Confesso que li e levei alguns segundo para processar a recomendação do deputado Paulo Maluf (PP-SP) para o Governo Federal conseguir recursos e dotar a Saúde Pública de condições dignas para atender a população menos favorecida do país, sem precisar meter a mão no bolso do contribuinte.  
Logo Maluf, o homem que deu aulas de corrupção para o enrolado empresário Fernando Sarney, flagrado na operação Boi Barrica em negócios não republicanos, foi que resolveu usar sua experiência para recomendar ao governo Dilma “acabar com a bandalheira”.
Como se o pais inteiro não conhecesse sua torta trajetória na vida pública, Paulo Maluf, o político que só perde para o insuperável presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), em execração pública, apresentou a receita para por fim ao dilema e evitar a criação de um novo imposto.
 “É só acabarmos com as bandalheiras dos remédios superfaturados, das ambulâncias que não funcionam como vimos no “Fantástico”, no domingo, acabar com os médicos que infelizmente marcam o ponto e vão embora que tenho certeza, não será preciso aumentar imposto.  Temos dinheiro suficiente para bancar a saúde”, declarou.
Em seu pronunciamento, o ex-prefeito de São Paulo lembrou ainda que o impostômetro da Associação Comercial de São Paulo mostrou, no dia 12 de setembro, que o Brasil já havia arrecadado R$ 1 trilhão no ano em impostos, considerando União, Estados e municípios, faltando pouco para atingir o que foi arrecadado em 2010.
Pelo currículo, Maluf não seria a pessoa mais avalizada para emitir opinião sobre um assunto tão delicado, mas por incrível que pareça, nessa, ele tem razão, a final recriar a CPMF disfarçada de um novo imposto é tornar o ralo por onde escoa o dinheiro público ainda maior.
E olha que Maluf fala com conhecimento de causa. Vai ver foi ele que ensinou Fernando Sarney a remeter para o exterior o que não dava para guardar aqui mesmo. Até hoje as autoridades do país tentam recuperar o que encontraram em paraísos fiscais em nome dos dois.       

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Buscar

Nossa pagina