14 de julho de 2011

Redação: (98) 98205-4499

14/07/2011

Jorge Vieira

Comente

14/07/2011 -

Jorge Vieira -

Comente

DE BRASÍLIA Às vésperas do início do recesso parlamentar, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) usou a tribuna para fazer “uma análise do semestre” com ataques ao governo Dilma Rousseff.   O tucano afirmou que o país não avançou quase nada, retrocedeu em áreas importantes e que o governo está “institucionalizando o Brasil do improviso”.   […]

DE BRASÍLIA

Às vésperas do início do recesso parlamentar, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) usou a tribuna para fazer “uma análise do semestre” com ataques ao governo Dilma Rousseff.
 

O tucano afirmou que o país não avançou quase nada, retrocedeu em áreas importantes e que o governo está “institucionalizando o Brasil do improviso”.
 
Disse ainda que ” poucas vezes, na nossa história recente, um governo começou de forma tão desarticulada”.
 
O tucano citou as duas principais crises que derrubaram os ex-ministros Antonio Palocci (Casa Civil) e Alfredo Nascimento (Transportes). Para ele, os escândalos foram provocados pelo aparelhamento partidário.
 
“Foram [substituídos] não porque foram cobrados pelo rigor dos instrumentos de controle e monitoramento do governo, mas pela pressão da opinião pública.”
 
Entre os retrocessos citados pelo tucano está a aprovação do RDC (Regime Diferenciado de Contratações), para contratações das obras da Copa e da Olimpíada.
 
“Recuamos ainda mais no campo da transparência. Espero que esteja errado, mas acho que nós ainda teremos dissabores.”
(MÁRCIO FALCÃO E LARISSA GUIMARÃES)
Leia Mais

13/07/2011

Jorge Vieira

Comente

13/07/2011 -

Jorge Vieira -

Comente

Líder de fato O deputado César Pires, um dos vice-líderes do governo chamou hoje o líder do bloco governista, Stênio Resende, à razão e exigiu que ele assuma de fato a liderança da bancada, “não delegue a terceiros”. César reclamou a Stênio que não aceita a terceirização da liderança do bloco e que ele exerça […]

Líder de fato
O deputado César Pires, um dos vice-líderes do governo chamou hoje o líder do bloco governista, Stênio Resende, à razão e exigiu que ele assuma de fato a liderança da bancada, “não delegue a terceiros”.
César reclamou a Stênio que não aceita a terceirização da liderança do bloco e que ele exerça a função que lhe fora entregue pelo grupo.
O alerta abriu os olhos de Stênio, pois nas votações que limparam a pauta do Legislativo na manhã de hoje, ao contrário de vezes anteriores, eles mesmo orientou a bancada.     
Conta ataque I
A deputada Cleide Coutinho, diante da tentativa de transformarem em escândalo a venda da Casa de Saúde e Maternidade de Caxias para o Estado fazer funcionar os cursos de Medicina e Enfermagem da UEMA, no governo José Reinaldo Tavares, criticou aqueles que usam a mídia para deturpar a verdade dos fatos.
A deputada informou que ela e seu esposo, o prefeito de Caxias, Humberto Coutinho, venderam o hospital para o governo em 2002, com todos os equipamentos e apresentou o laudo de avaliação, com descrição de toda a área assinado por técnicos e engenheiros. 
Contra ataque II
Cleide Coutinho informou ao plenário que, após a venda, o governador José Reinaldo fez algumas reformas e colocou para funcionar os dois cursos. O governo Jackson, em seguida, fez novas ampliações.
A Parlamentar explicou que Jackson Lago já havia planejado a construção de um hospital para servir de campo de estágio e atender pacientes, quando foi cassado pelo TSE.
“Infelizmente, como todos sabem, Dr. Jackson foi afastado, Roseana assumiu e até hoje nada foi feito naquele prédio para melhorar as condições de ensino. Nessa área poderia construído o hospital. Porque o Estado, ao invés de comprar por R$ 3 milhões um terreno não aproveita essa área grade que fica no centro da cidade?”
Homofobia
O vereador Ivaldo Rodrigues, um dos patrocinadores da Parada GLBT, já adiantou que votará contra o projeto de decreto legislativo da Câmara Municipal concedendo título de cidadão de São Luís ao pastor Silas Mafaia.
A decisão, segundo o vereador postou em sua página no Facebook, é motivada pelos discursos homofóbico do pastor.
“Não votaria em alguém que é claramente homofóbico e espero que o decreto legislativo seja rejeitado”, defende. 
Lei do pacote
“Onde é que anda o Procon?” O questionamento foi feito esta manhã pelo líder do governo, deputado Manoel Ribeiro, ao constatar que o Hipermercado Bom Preço está ignorando a lei que obriga os supermercados a manterem empacotadores nos caixas.
O parlamentar disse que ficou revoltado ao ver senhoras enfrentarem enormes filas no último domingo, na loja do São Francisco, por conta da falta empacotadores. E cobrou que o Ministério Público tome providência para fazer cumprir a lei.   
Ribeiro lamentou que tubarões forasteiros se instalem aqui para explorar a população e ainda se neguem a dar empregos e cumprir o que determina a lei.
Ele disse ainda que foi destratado pelo gerente ao intervir em favor das pessoas que padeciam na fila. 
Leia Mais

13/07/2011

Jorge Vieira

Comente

13/07/2011 -

Jorge Vieira -

Comente

Agência Assembleia Em sessão extraordinária, e em regime de urgência, o plenário da Assembleia Legislativa aprovou, na manhã desta quarta-feira (13), o Projeto de Lei nº 138/2011, de autoria do Poder Executivo, que define o conceito de faixa de domínio e de faixa ‘non aedificandi’ das rodovias estaduais. O projeto de lei, encaminhado pela Mensagem […]

Agência Assembleia
Em sessão extraordinária, e em regime de urgência, o plenário da Assembleia Legislativa aprovou, na manhã desta quarta-feira (13), o Projeto de Lei nº 138/2011, de autoria do Poder Executivo, que define o conceito de faixa de domínio e de faixa ‘non aedificandi’ das rodovias estaduais.

O projeto de lei, encaminhado pela Mensagem Governamental nº 033/2011, também dispõe sobre a exploração da utilização e comercialização destes espaços, a título oneroso, por empresas concessionárias de serviços públicos, por empresas privadas ou por particulares.

Antes da votação do projeto do governo, foram votadas duas emendas de autoria do deputado Rubens Júnior (PCdoB): ambas foram rejeitadas pelo plenário.

Uma das emendas ao Projeto nº 138 previa a inclusão do parágrafo único no Artigo 4º de uma expressão – que fosse respeitada a Lei nº 8.666, a Lei Federal das Licitações, porque nesse dispositivo o projeto do governo não diz que tem que ser respeitadas as regras de licitação vigentes no país.

“O parágrafo único diz que tem que respeitar regulamento próprio, instrumento do contrato, bem como responsabilidade civil, mas não prevê realização de licitação para a concessão ou mesmo a permissão”, argumentou Rubens Júnior.

Os deputados Marcelo Tavares (PSB) e Gardênia Castelo (PSDB) também questionaram o projeto do governo dizendo que se trata de uma matéria inconstitucional, porque o Estatuto da Cidade diz que a prerrogativa de planejar o uso do solo urbano é do município.

“O que nós estamos fazendo na prática”, acrescentou Rubens Júnior, “é dando um cheque em branco para o secretário de Infraestrutura, qualquer que seja ele, dando um cheque em branco para ele fazer o que bem entender as margens de todas as rodovias estaduais, em alguns casos não através de concessão, mas através de simples permissão, que seria um contrato administrativo mais precário de todos, sem garantias para a parte, sem garantia para a administração pública e sem garantia para a sociedade maranhense”.

Após a votação do projeto de lei do governo, aprovado pelo plenário, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Arnaldo Melo (PMDB), informou que a lei aprovada agora será encaminhada à sanção da governadora Roseana Sarney.

Leia Mais

13/07/2011

Jorge Vieira

Comente

13/07/2011 -

Jorge Vieira -

Comente

Os deputados Rubens Júnior (PCdoB) e Bira do Pindaré (PT) pedem cautela do plenário nas votações dos projetos de lei do Poder Executivo que chegam a Casa com pedido de urgência para serem incluídos na ordem do dia, a exemplo que aconteceu hoje com plano rodoviário do Estado, deliberado sem que a grande maioria dos […]

Os deputados Rubens Júnior (PCdoB) e Bira do Pindaré (PT) pedem cautela do plenário nas votações dos projetos de lei do Poder Executivo que chegam a Casa com pedido de urgência para serem incluídos na ordem do dia, a exemplo que aconteceu hoje com plano rodoviário do Estado, deliberado sem que a grande maioria dos deputados conhecesse o conteúdo.
Bira concordou com o pedido de cautela feito por Rubens, com relação à urgência no tratamento do projeto de lei nº 150/11, de autoria do poder executivo, que altera a lei n° 3.486 de 2 de abril de 1974, que dispõe sobre o plano rodoviário.
“Preocupa-me por que qual é o tempo que nós vamos dispor para analisar e discutir todos esses projetos? Objetivamente nós não temos, isso é preocupante”, ponderou o Deputado.
O parlamentar também sugeriu algumas medidas que poderiam facilitar o trabalho dos legisladores. Afirmou ainda que votar, em regime de urgência, um assunto tão profundo não é adequado e ainda compromete a imagem da Casa.
“Chamo a atenção da Mesa também, talvez nem precisasse disponibilizar, o diário oficial, em cada gabinete, mas se tivesse no site da Assembleia a gente já teria acesso e teria condições de fazer o debate com a profundidade necessária. Muitos projetos a gente só toma conhecimento ou no Diário Oficial ou aqui já no horário do expediente normal, da sessão normal ordinária. Isso realmente é preocupante, nós temos que chamar atenção para isso, precisamos melhorar a qualidade da nossa rotina de produção legislativa, até para atender a uma expectativa da população”, concluiu Bira.
Leia Mais

13/07/2011

Jorge Vieira

Comente

13/07/2011 -

Jorge Vieira -

Comente

O deputado Roberto Costa (PMDB) repudiou a posição do prefeito João Castelo (PSDB) recorrer mais uma vez da decisão do Supremo Tribunal Federal que suspendeu a cobrança do IPTU.  “O prefeito não consegue usar sua sensibilidade. Recorreu novamente, da decisão do STF. Ao invés de estar preocupado em meter a mão no bolso do contribuinte, […]

O deputado Roberto Costa (PMDB) repudiou a posição do prefeito João Castelo (PSDB) recorrer mais uma vez da decisão do Supremo Tribunal Federal que suspendeu a cobrança do IPTU.
 “O prefeito não consegue usar sua sensibilidade. Recorreu novamente, da decisão do STF. Ao invés de estar preocupado em meter a mão no bolso do contribuinte, ele deveria era estar preocupado com o asfalto de péssima qualidade  que ele insiste em colocar nas Avenidas da cidade”, disse o deputado.
Roberto Costa declarou que não desistirá da luta em prol da população de São Luís, para garantir os seus direitos. E solicitou aos deputados Marcelo Tavares (PSB) e Gardeninha (PSDB), que convença o prefeito João Castelo a desistir de querer cobrar o imposto indevido.
Leia Mais

13/07/2011

Jorge Vieira

Comente

13/07/2011 -

Jorge Vieira -

Comente

A bancada do governo acaba de aprovar a “toque de caixa” o Plano Rodoviário do Estado sem que o plenário tomasse conhecimento do conteúdo do projeto encaminhado à Casa pelo Poder Executivo.  Segundo o presidente da Comisão de Constituição e Justiça, Carlos Alberto Milhomem (DEM), a aprovação da matéria foi necessária para facilitar a execução […]

A bancada do governo acaba de aprovar a “toque de caixa” o Plano Rodoviário do Estado sem que o plenário tomasse conhecimento do conteúdo do projeto encaminhado à Casa pelo Poder Executivo. 

Segundo o presidente da Comisão de Constituição e Justiça, Carlos Alberto Milhomem (DEM), a aprovação da matéria foi necessária para facilitar a execução do projeto Via Expressa, a obra anunciada pelo governo para comemorar os 400 anos de fundação de São Luís.
O deputado Rubens Júnior (PCdoB) criticou a forma açodada de votar um projeto sem que os parlamentares tivessem conhecimento do seu conteúdo, mas de nada adiantou sua reclamação.
A Mesa Diretora da Casa colocou a matéria em votação e a bancada do governo, seguindo orientação de Milhomem, aprovou a matéria. 
Para evitar surpresa, Milhomem foi curto e grosso na tribuna: “não aceito chute abaixo do ventre”. A bancada entendeu o recado e votou pela aprovação.  
Leia Mais

13/07/2011

Jorge Vieira

Comente

13/07/2011 -

Jorge Vieira -

Comente

Ribamar Santana Agência Assembleia O líder da oposição, deputado Marcelo Tavares (PSB), cobrou da tribuna da Asssembleia, na sessão desta terça-feira (12), esclarecimentos do governo do Estado a respeito da construção de hospitais nas cidades de Caxias, Pinheiro e Imperatriz e, especificamente, o caso do não funcionamento do hospital Mamede Trovão, em Coroatá. Em relação […]

Ribamar Santana
Agência Assembleia
O líder da oposição, deputado Marcelo Tavares (PSB), cobrou da tribuna da Asssembleia, na sessão desta terça-feira (12), esclarecimentos do governo do Estado a respeito da construção de hospitais nas cidades de Caxias, Pinheiro e Imperatriz e, especificamente, o caso do não funcionamento do hospital Mamede Trovão, em Coroatá.
Em relação à construção dos hospitais de Caxias, Pinheiro e Imperatriz, Marcelo reafirmou a denúncia de que não foram construídos, até agora, por falta de compromisso do governo do Estado com a saúde pública. “O hospital de Caxias, o terreno foi doado, mas até agora nada; o de Pinheiro, a governadora tomou de volta o dinheiro, R$ 10 milhões, já liberados pelo ex-governador Jackson Lago e o terreno doado pode ser devolvido à instituição doadora, e o de Imperatriz só existe nos projetos de Ricardo Murad”, esclareceu.
Marcelo Tavares apresentou mais uma denúncia relacionada aos hospitais do Estado, agora referente ao hospital Mamede Trovão, em Coroatá. Segundo o deputado, em dezembro de 2009 o governo do Estado assinou termo de parceria com o Bem Viver Associação Tocantina, uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OCIP), para prestação de serviços médicos e de apoio ambulatorial, hospitalar e operacional de serviços especializados, no valor de R$ vinte milhões e 148 mil reais, mas, no entanto, o hospital, neste período encontrava-se e continua fechado.
Por conta disto, Marcelo afirmou que o governo do Estado cancelou o termo de parceria, depois fez uma dispensa para reformar o hospital para em seguida cancelar e depois cancelar o que já havia sido cancelado. “Fizeram o contrato, cancelaram o contrato, depois tornaram sem efeito o cancelamento. Se cancelou o cancelamento. É confuso, mas é assim que é o Estado nesse governo”, assinalou.
Ao final do seu pronunciamento, o líder da oposição cobrou respostas a um dos líderes do governo na Assembleia, deputado Magno Bacelar (PV), e prometeu cobrar esclarecimentos na sessão de amanhã (13).
Leia Mais
Rádio Timbira Ao Vivo

Buscar

Nossa pagina