15 de abril de 2015

Redação: (98) 98205-4499

15/04/2015 -

Jorge Vieira -

Comente

Moralização no Detran incomoda oligarquia

A turma ligada ao que restou
da oligarquia Sarney no Maranhão estrebucha por conta das medidas moralizadoras
que estão sendo tomadas para evitar que o dinheiro do povo do Maranhão continue
escorrendo pelo ralo da corrupção ou em contratos superfaturados.  No Detran-MA, por exemplo, o escritório de
Alfredo Duailibe, o mesmo que tentou amealhar do Estado R$ 200 milhões de uma
suposta dívida da Cemar com a empresa Remoel, ainda por conta da privatização
da empresa energética, faturava mensalmente R$ 267 mil por mês, quase 30 por
cento a mais do escritório que foi contratado pela atual direção do órgão.

Ao assumir a direção do Detran,
Antônio Nunes constatou uma série de irregularidades e vem tentando colocar
ordem na casa. O primeiro passo foi estancar o roubo de recursos públicos,
desviado para enriquecimento ilícito de apaniguados da família Sarney e que
agora não se conformam com o fim da farra. Em apenas cem dias de administração,
Nunes já conseguiu uma economia de R$ 10 milhões, dinheiro esse que certamente
seria desviado para engordar alguma conta bancária daqueles que hoje atiram
pedra contra o governo porque perderam espaço e tentam a todo custo criar uma
situação de caos onde não existe.

Somente para citar um exemplo,
Nunes encontrou os serviços jurídicos do Detran terceirizado para o escritório
de Alfredo Duailibe ao valor mensal de R$ 267 mil, mas conseguiu contratar o
escritório do reconhecido advogado Ítalo Azevedo ao preço de R$ 178 mil/mês, mas ainda
assim virou alvo da mídia comandada pelo Sistema Mirante de Comunicação, que
chegou ao ponto de afirmar que Antônio Nunes estaria com a imagem arranhada,
mesmo com as medidas moralizadoras que vem adotando.

O Detran antes de Nunes era
uma festa onde aliados da oligarquia se regozijavam, tinha direito até contratar
agência de publicidade ligada ao ex-secretário de Comunicação do Estado, Sérgio
Macedo. A Agência Canal, de propriedade de Chafi Braide, sócio de Macedo,
estourou entre dezembro de 2014 e janeiro de 2015 cerca de R$ 3,2 milhões e lá
no Detran ninguém sabe o que foi feito com essa dinheirama toda. A coisa era
tão solta que o governador Flávio Dino resolveu centralizar todas campanha
publicitárias do órgão na Secretaria de Comunicação.

É essa gente acostumada a
ganho fácil que berra contra a administração que tenta estancar a sangria do
dinheiro público. Essa gente que tinha vida fácil não se conforma em ver um
administrador sério e comprometido com os interesses do povo do Maranhão, que
não pactua com grupelhos viciados em mamar nas tentas do Estado. O Maranhão vive
hoje um novo momento, não há espaço mais para corruptos e ou bandidos de colarinho
branco. Acabou a mamata no Detran.   

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rádio Timbira Ao Vivo

Buscar

Nossa pagina