2 de janeiro de 2013

Redação: (98) 98205-4499

02/01/2013 -

Jorge Vieira -

Comente

Leia na íntegra o discurso de posse do prefeito Edivaldo Holanda Júnior

Exmo. Senhor Presidente da
Câmara Municipal,
Exmos. Senhores Vereadores,
Imprensa,
Ilustres convidados,
Queridos familiares,
Senhoras e senhores:
Assumo neste momento a
responsabilidade maior, concedida por este bravo povo, de governar São Luís.
Este é um privilégio delegado a poucos e por isto me sinto grandemente honrado
e agradecido a Deus e a todos.
A esperança que veio das
ruas me encheu de fé no futuro desta cidade.
São Luís é brava e valente e
resistiu aos ataques predadores deste governo que acaba de findar.
É hora de reconstruí-la com
muito carinho e muito amor.
Convoco a partir de agora
minha equipe de governo para colocar em ordem a cidade. A tarefa não é fácil.
Os desafios são muitos. É meu dever informar a situação precária na qual São
Luís se encontra. A cidade está em estado de abandono. Na educação 130 mil
alunos ficaram fora da sala de aula. Foram meses de insensibilidade absoluta do
Governo findo em relação às crianças. Elas levarão para sempre, em seus
currículos, a marca da incompetência de uma administração que não se preocupou
nem com elas, nem com a vida, nem com o cidadão.
O transporte público está em
situação de colapso. A frota de ônibus é antiga e precária, com linhas mal
dimensionadas e onerosas, deixando usuários insatisfeitos.
Na saúde, o serviço do Samu
foi praticamente paralisado, havendo 15 ambulâncias paradas por falta de
manutenção e de combustível e funcionários em greve por condições mínimas de
trabalho. Existem quatro ambulâncias novas doadas pelo Ministério da Saúde, que
aguardam há meses para serem enviadas para São Luís, porque a Prefeitura não
pagou a transportadora que realiza o frete.
Os Socorrões estão em
situação de calamidade pública. As filas de cirurgia aumentaram significativamente
nos últimos meses. Faltam medicamentos e materiais hospitalares. Os médicos,
prestadores de serviços, estão com mais de três meses de salários atrasados e
muitos abandonaram o plantão.
Foi necessária a intervenção
providencial do Estado, para que centenas de pessoas não viessem a óbito nessas
unidades de saúde. Aqui me dirijo à senhora governadora para dizer que ações
importantes como esta na área da saúde serão bem vindas em outras áreas
sensíveis e carentes da nossa Administração. Relação institucional entre o
Município, Estado e União é condição sine qua non para sairmos da situação de
calamidade que nos encontramos. Da minha parte não haverá barreira política
para esta relação. O povo é maior do que nossas diferenças. E espera de nós um
melhor entendimento em favor dele e em favor da cidade.
A Prefeitura apresenta grava
desequilíbrio financeiro. Para que os senhores tenham um comparativo real, os
restos a pagar herdados da gestão anterior ao governo que ora finda, era da
ordem de 60 milhões de reais apenas. Por que apenas? Porque estamos recebendo
de restos a pagar do Governo que se vai um volume criminoso da ordem de mais de
500 milhões de reais. Para que vocês tenham uma ideia de grandeza, o que está
ficando de dívida equivale a praticamente um ano de arrecadação de todos os
impostos recolhidos pelo município. Isto tudo, traduzido no atraso generalizado
do pagamento de fornecedores, prestadores de serviços e alugueis.
Como se não bastasse, os
funcionários municipais tiveram a triste notícia do não pagamento dos seus
salários do mês de dezembro, enquanto isto, ao apagar das luzes, numa
verdadeira afronta e desrespeito a milhares de pais de famílias, o prefeito
pagou milhões a empresas sem nenhum critério republicano.
O foco, contudo, não é de
lamento, embora esta seja uma situação que nos causa a todos o sentimento de
profunda indignação. Apesar do cenário de terra arrasada, afirmo que estamos
aqui para mudar e transformar esta situação caótica, apresentando a vocês, uma
administração moderna, transparente e eficiente. Para isso conto com uma equipe
competente, preparada e pronta para dar o melhor por São Luís.
Cumpriremos nossos
compromissos de campanha. Todos serão cumpridos. Escolas de tempo integral,
bilhete único, subprefeituras, viadutos, corredor de transporte. Enfim, a nossa
palavra de campanha é um documento de cartório diante da minha querida São Luís.
Dia 9 próximo, estarei
divulgando as ações dos primeiros 120 dias da nossa administração. Essa agenda
de trabalho que será apresentada visa assegurar o alinhamento dos secretários
de toda a equipe de governo, as prioridades da nova gestão, apresentando ações
consistentes, integradas e factíveis, que iniciem a mudança esperada pela
população de São Luís. O nosso compromisso é com uma gestão profissional,
transparente e meritocrática e orientada para resultados.
A corrupção será vista como
crime hediondo. Tolerância zero para ela. É por causa da corrupção que crianças
ficaram fora da sala de aula e é por causa dela que morrem pessoas de fome. É
por causa da corrupção que não há remédio e nem comida nos Socorrões. É por
causa da corrupção que crianças ficaram fora da sala de aula. E é por causa
dela que morrem pessoas de fome. Ela é mãe da miséria e do fracasso da
Administração que se foi. Com a graça de Deus e o apoio de todos vocês
haveremos de combatê-la e de torná-la uma estatística do passado.
Finalizando, convoco a
sociedade civil organizada: universidades, empresários, igrejas, sindicatos,
OAB, a classe política, funcionários, homens e mulheres para que juntos façamos
um pacto por São Luís. E que este pacto seja de ajuda e compreensão, paciência
e altruísmo diante da reconstrução das nossas ruas, bairros, praças, escolas,
redes de saúde, melhoria do transporte. Enfim, um compromisso que nos leve a
alegria da autoestima renovada por São Luís.
Lanço um agradecimento
especial a minha querida São Luís. Ao meu povo que me tratou sempre com muito
carinho. Agradeço ao Flávio Dino, companheiro e líder que esteve comigo em
todos os momentos e acreditou nessa possibilidade de mudança. Ao Roberto Rocha,
meu vice-prefeito, que trazendo o PSB possibilitou as condições de nossa
candidatura.
Agradeço aos partidos
aliados PCdoB, PSB, PDT e ao meu PTC, aos partidos irmãos que chegaram no
segundo turno, lideranças de outros campos políticos e aos militantes desses
partidos que aguerridamente mobilizaram as ruas.
Agradecimento especial à
minha querida esposa Camila e à Thalita, minha filhinha que vai nascer, à minha
mãe Vânia Jalila, ao meu pai Edivaldo Holanda, às minhas irmãs Rivanda Berenice
e Raíssa Adjine, aos meus tios e primos, ao Roosevelt e Pedro, meus cunhados,
minha querida avó Onorina Braga. Eles todos souberam suportar comigo as
críticas injustas do adversário. Um obrigado especial ao meu Deus que esteve
comigo em todo o momento da campanha.
Vamos à luta!
É hora de trabalhar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Buscar

Nossa pagina