1 de Março de 2015

Redação: (98) 98205-4499

01/03/2015 -

Jorge Vieira -

Comente

Governo Roseana deixou escolas da Rede Estadual interditadas

Dados levantados pela Secretaria de Estado da
Educação mostram que mais de 1.000 escolas da Rede Estadual de Ensino não
cumpriam o Código de Segurança Contra Incêndio e Pânico do Estado do Maranhão.
Algumas chegaram a ser interditadas no ano passado pelo CREA e Corpo de
Bombeiros. Mesmo as que foram parcialmente reformadas, não solucionaram o
problema.

Fios soltos, desencapados, gambiarras elétricas,
além de instalações elétricas inadequadas que resultaram vários casos de panes
elétricas e incêndios. Além é claro da ausência de extintores de incêndio.

Atitude irresponsável do Governo que deveria ter
zelado pela integridade dos mais de 300 mil alunos do Ensino Médio e
Fundamental e os mais de 20 mil servidores públicos lotados nas escolas.

Descaso – Em 2013, quando o professor Josué Pinheiro Cunha
assumiu a direção da Unidade Escolar Dr. Antonio Jorge Dino, no Bairro de
Fátima tratou de entregar um relatório pessoalmente na Secretaria de Estado de
Educação com os vários problemas estruturais, pedagógicos e administrativos que
encontrou.

Entre eles, o Caixa Escolar inoperante e a falta de
água, o que segundo ele deixou mais de 300 alunos sem merenda escolar durante
todo o primeiro semestre daquele ano letivo.

No ano passado, Josué aflito com as precárias condições
da escola que dirigia e mediante o risco de uma tragédia anunciada com um de
seus alunos, na faixa de 7 a 15 anos, entregou a SEDUC um novo relatório.

Nele, infelizmente reiterava os mesmo problemas
estruturais encontrados, além de outro muito grave: a escola havia sido
interditada pelo CREA e pelo Corpo de Bombeiros.

Segundo o Laudo de Vistoria Técnica do Conselho de
Engenharia e Agronomia e Conselho de Engenharia e Agronomia do Maranhão de 17
de julho de 2014, a UE Sálvio Dino foi interditada por problemas na cobertura,
forros, instalações hidro-sanitárias, esquadrias, caixa d´água, cisterna, piso,
drenagem pluvial e muro de fechamento. Além disso, instalações elétricas
precárias com fios antigos e expostos e comandos elétricos danificados.

Já o Relatório de Vistoria do Corpo de Bombeiros
Militar interditou a escola em 25 de julho de 2014 por falta de condições de
segurança para funcionamento. Entre outras coisas, pela ausência de projeto de
combate a incêndio e pânico, com base na Lei Estadual n.6.546, de 29 de
dezembro de 1995.

Desde então, a combinação entre risco de incêndios
e falta de equipamentos de segurança, como extintores e luminárias de
emergência viraram uma bomba relógio dentro da escola que em 2014 já tinha mais
de 700 alunos matriculados.

Josué relata que no ano passado as panes elétricas
foram constantes, inclusive com queima de equipamentos elétricos e eletrônicos.

Infelizmente, a UE Sálvio Dino não está sozinha, já
que segundo levantamento recente da SEDUC, pelo menos 91 escolas com condições
precárias precisam de intervenções emergenciais, principalmente na parte
elétrica.

Na U.I. João Paulo II, no bairro Turu, onde estudam
cerca de 800 alunos do Ensino Fundamental e a Unidade Integrada Raimundo N.
Ferro do Lago em Bacabal, laudos do Corpo de Bombeiros, também apontaram a
interdição do prédio.

Para solucionar esses e outros problemas, uma
reforma foi iniciada em junho do ano passado, os alunos transferidos para um
prédio alugado e a obra que mesmo inacabada foi entregue pelo governo anterior
não contou com um extintor de incêndio sequer.

A UI Barjonas Lobão no Jardim América, enfrentou um
incêndio de grandes proporções ano passado por conta de problemas elétricos.

Em 2014, a manutenção das escolas precárias foi
realizada apenas em algumas unidades da capital maranhense. Nas demais Unidades
Regionais, houve licitação, mas sem contratação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rádio Timbira Ao Vivo

Buscar

Nossa pagina