Após devassa nos Transportes, PR deixa base do governo, mas diz que não vai apoiar CPI – Jorge Vieira

16 de agosto de 2011

Redação: (98) 98205-4499

16/08/2011 -

Jorge Vieira -

Comente

Após devassa nos Transportes, PR deixa base do governo, mas diz que não vai apoiar CPI

Maurício Savarese
Do UOL Notícias
Em Brasília
O líder do PR na Câmara, Lincoln Portela (MG), anunciou nesta terça-feira (16) que a sigla deixa de integrar a base aliada da presidente Dilma Rousseff no Congresso. A decisão se dá depois de uma devassa no Ministério dos Transportes, comandada pela sigla desde o governo de Luiz Inácio Lula da Silva. Um membro do partido, Paulo Sérgio Passos, continua no comando do ministério, mas sem apoio expressivo dos correligionários.
As denúncias na pasta ligada ao PR causaram a demissão de quase 30 funcionários, incluindo quase toda a direção do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes).
“Estamos saindo sem nenhum rancor. O partido é maior do que cargos”, afirmou Portela. Segundo ele, a legenda dará “apoio crítico” à presidente e a entrega de cargos no governo é uma posição individual das bancadas dos Estados, ou seja, não há consenso na legenda.
Com a saída do PR da base, o governo federal deixa de contar com o voto certo de 42 deputados e seis senadores.
O ex-ministro dos Transportes e presidente do PR, Alfredo Nascimento (AM), já se manifestou e disse que, apesar da saída, a legenda não vai apoiar nenhuma CPI. “Não vamos apoiar CPI contra um governo que ajudamos a construir.”
Nascimento ressaltou que Passos é uma escolha pessoal de Dilma e não diz respeito à cota do PR na administração federal.
Os governistas acreditam ter maioria confortável no Congresso ainda que o PR estivesse disposto a radicalizar e migrar para oposição. O otimismo se deve também à provável criação do PSD, uma legenda de apoio a Dilma que já encolhe as bancadas oposicionistas.
Oposição tenta emplacar CPI da Corrupção; relembre algumas investigações
 “A tendência é de que eles [PR] acabem negociando apoio pontualmente, em cada votação”, afirmou um dos aliados da presidente.
O líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), disse respeitar a decisão do PR e que o ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, “continua com a confiança da presidente Dilma para ocupar o cargo e fazer as mudanças necessárias”.
O PR se aliou ao PT em 2002, quando ainda se chamava PL e deu ao candidato presidencial Luiz Inácio Lula da Silva o seu vice, José Alencar. A dupla foi reeleita em 2006, mas Alencar já integrava o PRB, depois de o escândalo do mensalão afetar líderes da legenda, como o deputado Valdemar da Costa Neto. Mesmo assim, o partido não deixou a base aliada do agora ex-presidente e se apressou para manter a pasta dos Transportes no governo Dilma –o que acabou conseguindo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Buscar

Nossa pagina