Prefeito Edivaldo é elogiado na Assembleia por humanizar atendimento no Socorrão I

  • Compartilhe

  • Compartilhar no seu facebook
  • Compartilhar no seu google+
  • Compartilhar no seu facebook Compartilhar por e-mail
'Maca zero' no Socorrão I ganha destaque na Assembleia

‘Maca zero’ no Socorrão I ganha destaque na tribuna da Assembleia Legislativa

O deputado estadual Othelino Neto (PCdoB) destacou, na sessão desta segunda-feira (02), a inciativa do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT) em transferir todos os pacientes do Socorrão I – que estavam em macas e nos corredores – para a Santa Casa. “É claro que isso deveria ter acontecido há muito tempo, mas nem por isso poderíamos deixar de fazer referência a este avanço que humaniza mais o atendimento naquela unidade de saúde”, disse o parlamentar.

A transferência, que está acontecendo desde o final de semana, segundo Othelino foi possível por meio de um convênio entre a Prefeitura de São Luís e a Santa Casa com a aquisição de 60 leitos, que estão sendo utilizados não só para casos de urgência e emergência, mas para pacientes clínicos crônicos, que precisam ainda de cuidados.

“Não é apenas um ganho no aspecto de humanizar o atendimento, de fazer com que o paciente que precise do atendimento do Socorrão fique bem acomodado, melhor assistido, mas também vai permitir, ao passo em que resolve o problema da superlotação, que comprometia, no geral, a qualidade do atendimento, que o Socorrão cumpra mais sua finalidade específica que é o atendimento de urgência e emergência”, enfatizou Othelino Neto.

Segundo o deputado, o Socorrão I – que tem uma grande demanda – vai se tornar um hospital mais humanizado e irá qualificar o seu atendimento, além de possibilitar mais conforto aos pacientes. “É um avanço que merece o registro porque são dezenas de pessoas que ficavam numa situação difícil. Além de já estarem doentes, ainda ficavam mal acomodadas. E agora passaram a ficar num leito de hospital e também mais bem assistidos pelas equipes médicas”, comentou.

Othelino destacou também o fato do prefeito Edivaldo ter acompanhado pessoalmente a transferência dos pacientes, junto com a secretária Helena Duailibe, a quem também fez referências pelo trabalho que tem conseguido desenvolver para melhorar o atendimento público no município de São Luís, apesar da crise financeira.

PCdoB lança Carta aos Bequimãoenses e reafirma pré-candidatura de Elanderson

  • Compartilhe

  • Compartilhar no seu facebook
  • Compartilhar no seu google+
  • Compartilhar no seu facebook Compartilhar por e-mail

fotoO Partido Comunista do Brasil reuniu o Diretório Municipal, no último sábado, 30, e lançou Carta aos Bequimãoenses. No texto, aprovado por unanimidade, os comunistas reafirmam a pré-candidatura do vereador Elanderson para prefeito nas eleições de outubro deste ano.

A carta mostra a contradição entre as riquezas naturais do município e a pobreza que afeta mais de 50% da população, segundo dados do IBGE. Ressalta também a oportunidade que a cidade terá de promover o desenvolvimento com distribuição de renda na quadra atual de mudança experimentada pelo estado sob a liderança do governador Flávio Dino.DSC_0391

O partido destaca o perfil que deve ter o próximo prefeito e a necessidade deste trabalhar em parceria com o governo do Estado e defende mudança de práticas na política com prioridade para o combate à corrupção com transparência e serviços públicos para aqueles que mais precisam.

Por fim, o PCdoB prega a renovação na Câmara de Vereadores e propõe pré-candidaturas dos melhores quadros do partido para as eleições proporcionais. Clique aqui leia a íntegra da Carta.

VLI abre inscrições para programa de estágio 2016. No Maranhão, as localidades de atuação dos estagiários serão Imperatriz e São Luís.

  • Compartilhe

  • Compartilhar no seu facebook
  • Compartilhar no seu google+
  • Compartilhar no seu facebook Compartilhar por e-mail

Estágio VLIA VLI, empresa especializada em operações logísticas que integram ferrovias, portos e terminais, está com inscrições abertas para o Programa de Estágio VLI 2016. As vagas são destinadas a estudantes dos níveis técnico e superior interessados em começar uma carreira em um dos segmentos mais promissores no Brasil: a logística. Os candidatos devem acessar o link www.estagiovli.manpower.com.br e se cadastrar até o dia 15 de maio.

São aproximadamente 120 vagas distribuídas em cidades de atuação da empresa nos estados de Minas Gerais, São Paulo, Espírito Santo, Bahia, Maranhão e Sergipe. No Maranhão, as localidades de atuação dos estagiários serão Imperatriz e São Luís.

Os estudantes aprovados iniciarão o estágio no segundo semestre de 2016. Além da bolsa estágio, proporcional ao período trabalhado (4 ou 6 horas), a VLI oferecerá benefícios, como plano de saúde, seguro de vida, auxílio transporte e auxílio refeição.

O programa tem duração de 12 a 24 meses e tem por intuito desenvolver jovens talentos na empresa a partir de um plano focado no perfil e na formação do estudante. Em 2015, a VLI foi eleita pela revista Você S/A como uma das 150 melhores empresas do Brasil para se trabalhar.

Seleção – Os candidatos podem se inscrever nas oportunidades oferecidas de acordo com a sua formação: técnico ou superior.

O Estágio Técnico abrange as áreas de Administração, Enfermagem, Edificações, Estradas, Eletroeletrônica, Eletromecânica, Eletrotécnica, Mecânica e Segurança do Trabalho. Para concorrer, os estudantes devem ter previsão de formatura de julho de 2017 até julho de 2018 ou ter concluído a parte teórica do curso sem cumprir a carga horária de estágio obrigatório.

O Estágio Superior, por sua vez, oferece oportunidades para estudantes de Administração, Ciências Contábeis, Ciências Econômicas, Comunicação Social, Direito, Psicologia, Sistemas de Informação e Engenharias Ambiental, Civil, de Produção, de Automação, Elétrica e Mecânica. Os candidatos devem ter previsão de formatura entre julho de 2017 até julho de 2018.

O processo seletivo é composto pelas etapas de inscrição, testes on-line, dinâmica, painel e entrevistas com gestores e, por fim, exame médico e entrega dos documentos.

Sobre a VLI – A VLI tem o compromisso de apoiar a transformação da logística no País, por meio da integração de serviços em portos, ferrovias e terminais. A empresa engloba as ferrovias Norte Sul (FNS) e Centro-Atlântica (FCA), além de terminais intermodais, que unem o carregamento e o descarregamento de produtos ao transporte ferroviário, e terminais portuários situados em eixos estratégicos da costa brasileira, tais como em Santos (SP), São Luís (MA) e Vitória (ES). A VLI transporta as riquezas do Brasil por rotas que passam pelas regiões Norte, Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste.

Justiça deve aceitar nesta semana denuncia contra Roseana Sarney e Ricardo Murad

  • Compartilhe

  • Compartilhar no seu facebook
  • Compartilhar no seu google+
  • Compartilhar no seu facebook Compartilhar por e-mail
Roseana e Ricardo Murad foram denunciados pelo Ministério Público

Roseana e Ricardo Murad foram denunciados pelo Ministério Público

A ex-governadora Roseana Sarney e o ex-secretário Ricardo Murad devem receber uma notícia não muito boa nos próximos dias. O juiz Fernando Luiz Mendes Cruz, da 7a Vara Criminal, deve aceitar nesta semana denúncia encaminhada pelo Ministério Público contra ambos e mais 15 pessoas entre funcionários públicos e empreiteiros, por desvios de verbas destinadas a saúde do Maranhão.

De acordo com o promotor público, Lindonjonson Gonçalves de Sousa, autor da denuncia, os recursos foram desviados do Programa Saúde é Vida e da construção de 64 unidades hospitalares em municípios do interior do Maranhão que consumiram entre 2009 e 2010 cerca de R$ 151 milhões.

A ex-governadora e o ex-secretário teriam cometido os crimes de dispensa de licitação, fraude de licitação, peculato, falsidade ideológica e associação criminosa.

As fraudes foram cometidas, segundo a denúncia “com a finalidade de enriquecimento às custas de verbas da saúde pública, bem como financiamento de campanhas eleitorais, quais sejam as campanhas da ex-governadora e do ex-secretário”.

O Ministério público também ressaltou que as transações e transferências de recursos para empresas contratadas sem licitação serviram para financiar a campanha eleitoral do PMDB ao Governo do Estado em 2010, que totalizaram R$ 1,95 milhões. (Blog Marrapá)

Com controle rígido sobre as finanças, Maranhão enfrenta a crise sem sacrificar servidores

  • Compartilhe

  • Compartilhar no seu facebook
  • Compartilhar no seu google+
  • Compartilhar no seu facebook Compartilhar por e-mail

palacioleoes1Enquanto boa parte das Unidades da Federação não estão conseguindo sequer manter em dia os salários dos seus servidores, por conta da crise financeira que assola o país e corrói os repasses institucionais, principalmente o Fundo de Participação dos Estados, no Maranhão o governo Flávio Dino vem conseguindo manter o compromisso de pagar em dia o funcionalismo.

O feito do governador tem sido fruto do rigoroso controle dos gastos públicos, o que faz com que o Maranhão, mesmo com queda do FPM, se mantenha distante do grupo que está deixando o funcionalismo à míngua por falta de recursos, inclusive para pagar aposentados e pensionistas, como ocorre atualmente com o Rio de Janeiro, talvez o mais afetado.

Levantamento feito jornal o “Estado de São Paulo”, junto a sindicatos e associações de servidores revela que onze estados atrasam, parcelam ou escalonaram a folha de pagamento. O problema, segundo o “Estadão”, já compromete a vida de 1,5 milhão de trabalhadores e a expectativa é que nos próximos meses a lista cresça.

O fato do governador está conseguindo pagar o funcionalismo, livrando-o privações como vem ocorrendo Em São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, somente para citar os mais ricos, mostra a forma competente e saneadora com que Flávio Dino conduz o estado, mesmo diante de uma crise profunda e preocupante.

Aos críticos, principalmente aqueles que ainda cobram reajuste salarial, é sempre bom fazer comparativo e mostrar exemplo da quebradeira dos estados para esclarecer que o momento delicado e não permite novos reajustes. Por conta deste rígido controle, os servidores estaduais já estão com seu salário no bolso deste semana passada.

 

Greve dos servidores da Assembleia permanece sem solução

  • Compartilhe

  • Compartilhar no seu facebook
  • Compartilhar no seu google+
  • Compartilhar no seu facebook Compartilhar por e-mail

SINDSALEMA Mesa Diretora da Assembleia Legislativa, em nota oficial publicada ontem (1), Dia do Trabalho, sobre a greve dos servidores da Casa, informa que  movimento não afeta o funcionamento das atividades legislativas e que a crise financeira impede que seja concedido reajuste superior aos 3% oferecido e rejeitado pelo sindicato.

Conforme a nota assinada pelo Diretor de Comunicação, Carlos Alberto Ferreira, a Assembleia Legislativa respeita o direito de greve, mas adverte que o movimento tem adesão de menos de 5% dos funcionários.

NOTA PÚBLICA

A Assembleia Legislativa do Estado do Maranhão concedeu 18% de aumento salarial em 2015, entre benefícios e incremento salarial, elevando os rendimentos dos servidores comissionados e efetivos do Poder Legislativo aos maiores níveis do serviço público maranhense.

Diante da forte crise econômica que assola o pais, em 2016 foi proposto um aumento de 3%, prontamente recusado pelo sindicato da categoria. Foi informado também ao sindicato que este índice é o máximo possível que este Poder concederá.

A Assembleia Legislativa respeita o direito de greve, mas informa que suas atividades fundamentais não foram afetadas pelo movimento atual, visto que menos de 5% dos servidores da casa estão participando do movimento.

Carlos Alberto Ferreira

Diretor de Comunicação

Senadores anti-Dilma apoiaram gastos extras

  • Compartilhe

  • Compartilhar no seu facebook
  • Compartilhar no seu google+
  • Compartilhar no seu facebook Compartilhar por e-mail

DIMMI AMORA

SenadoFolha – Quase metade dos 51 senadores que declaram que a presidente Dilma Rousseff deve ser afastada por crimes contra o orçamento liberou a petista para gastar além do autorizado pelo Congresso.

Levantamento da Folha mostra que 24 desses senadores votaram em 2014 ou em 2015 a favor da mudança da meta fiscal. Nesses dois anos, o Congresso aprovou orçamentos em que o superavit primário (receita menos despesas, descontado o pagamento de juros) deveria ser superior a R$ 150 bilhões.

A mudança autorizou Dilma a fazer o oposto: dois déficits que, somados, chegaram a R$ 137 bilhões.

Essa autorização legislativa é um dos argumentos do governo para desqualificar uma das duas denúncias em que Dilma foi enquadrada: assinatura de decretos de suplementação orçamentária no ano de 2015.

Os acusadores apontam que esses decretos foram ilegais porque, quando assinados, o governo já sabia que não conseguiria fazer a economia prometida e por isso encaminhara projeto de lei para alterar a meta.

A denúncia diz que os atos ocorreram em 2014 e 2015, mas o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), só aceitou a denúncia em relação a 2015. O governo afirma que os decretos não alteram a meta fiscal do ano e, mesmo que alterassem, o Congresso ratificou o ato de Dilma ao mudar a meta.

O relator do processo na Câmara, Jovair Arantes (PTB-GO), ao analisar o argumento do governo, disse que o envio de projeto de lei mudando a meta não afastaria a necessidade de aguardar sua aprovação para a abertura de despesa nova. Por isso, considerou que Dilma cometeu crime de responsabilidade.

Em 3 de dezembro de 2015, quando a nova meta foi votada, Arantes era líder da bancada de quatro partidos (PTB, PP, PSC e PHS) e nem chegou a mencionar tal fato. A nova meta foi aprovada por 314 deputados e 46 senadores.

Eduardo Cunha (PMDB-RJ), não pôde repetir seu voto dado em 2014 para aprovar a nova meta fiscal. No momento da votação, ele chegava à Câmara para anunciar que estava abrindo o processo de impeachment da presidente baseado em sua suposta irresponsabilidade fiscal.

Em 2014, o relator do projeto foi outro que hoje defende a saída de Dilma: o senador Romero Jucá (PMDB-RR). “A alteração da meta afigura-se, antes de tudo, consequência de decisões que já adotamos ao longo deste e dos últimos dois ou três exercícios”, afirmou Jucá, ex-líder do governo, citando benesses dadas pelo governo como desonerações e políticas sociais.

Marta Suplicy (PMDB-SP), que é ex-petista, nega mudança de posição e afirma que as votações “não convalidam os atos da Presidência” e que, se a mudança não fosse feita, “agravaria ainda mais a dívida pública, os resultados seriam desastrosos”.

Simone Tebet (PMDB-MS) disse que votou consciente em 2015 de que sua posição não apagaria os erros cometidos e para não prejudicar o país, posicionamento semelhante ao dos peemedebistas Dário Berguer (SC) e Garibaldi Alves (RN).

Procurados, os deputados Jovair Arantes e Eduardo Cunha não responderam. Romero Jucá também não retornou.